A Menor Língua do Mundo

Alex Casal

Alex Cassal nasceu em Porto Alegre, Brasil, 1967. Cresceu a ler bandas desenhadas e a assistir a filmes de ficção científica, o que afectou a sua sensibilidade de forma irremediável. Licenciou-se em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. É encenador, dramaturgo e actor. No Brasil, integra o grupo Foguetes Maravilha, responsável por espectáculos como Ninguém falou que seria fácil e Síndrome de Chimpanzé. Colaborou com artistas como Enrique Diaz, Gustavo Ciríaco, Alice Ripoll, Dani Lima, Michelle Moura, grupo Dimenti (no Brasil), e Tiago Rodrigues, Cláudia Gaiolas, Paula Diogo, Marco Paiva, Sofia Dias & Vítor Roriz (em Portugal). Nos últimos anos escreveu e encenou, entre outros, os espectáculos Tornados (Teatro Maria Matos, 2015), Tiranossauro Rex (Teatro Nacional D. Maria II, 2017), Um Tigre-Lírio é Difícil de Encontrar (LU.CA - Teatro Luís de Camões, 2018) e Morrer no Teatro (Teatro Baltazar Dias, 2019). Vive em Lisboa.

www.alexcassal.blogspot.com

Paula Diogo

Paula Diogo nasceu em Lisboa, 1977. Bacharelato pela ESTC em Lisboa e mestrado em Artes Performativas da LHÍ (Academia Islandesa de Artes) com bolsas da Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação GDA. Foi co-fundadora do Teatro Praga (1995-08), da TRUTA (2003-10) e da produtora O Pato Profissional Lda (2003-10), onde trabalhou como criadora, performer e coordenadora de produção, cruzando várias competências. Em 2004 foi distinguida pelo CPAI com o Prémio Teatro na Década - Melhor actriz pelo espectáculo Private Lives, do Teatro Praga.. Em 2009 começou com um grupo informal de artistas a desenvolver a Má-Criação, dedicada a projectos colaborativos de performance e teatro. Nos últimos anos tem desenvolvido colaborações regulares com os artistas Alfredo Martins, Cláudia Gaiolas, Alex Cassal e Alexander Kelly, promovendo pontes entre criadores de diferentes proveniências artísticas e geográficas.

www.ma-criacao.com
Estreia

Em 2100 é provável que se tenha perdido metade dos 7000 idiomas falados em todo o mundo. Inspirados neste e noutros desaparecimentos iminentes, Alex Cassal e Paula Diogo debruçam-se sobre as línguas minoritárias portuguesas que, ao caminharem para a extinção, levam consigo histórias, identidades, diferenças. A partir de uma pesquisa junto de grupos falantes de minderico, mirandês e barranquenho, A Menor Língua do Mundo imagina uma trupe que viaja por uma terra extinta apresentando um espectáculo de variedades com o que foram recolhendo na jornada.
 

 

Jordando a piação: O minderico no contexto da diversidade linguística mundial
 
Concepção e orientação: Vera Ferreira (CIDLES)
Horário: Sexta, 27/09, das 17h00 às 19h00
Local: Cine-Teatro São Pedro (Alcanena)
Actividade sujeita a marcação prévia, reservada a estudantes do ensino superior
 
Após uma breve contextualização da diversidade linguística a nível mundial, seguida de uma discussão sobre o conceito de línguas ameaçadas, apresentar-se-á o minderico (suas origens e evolução), bem como algumas ferramentas que os participantes poderão usar posteriormente para aprender a língua. O workshop terminará com uma pequena aula de minderico durante a qual os participantes irão aprender a estabelecer uma conversação introdutória na língua.

Curso de Línguas Estrangeiras, por Jorge Louraço Figueira materiais-diversos-download
Texto e encenação Alex Cassal e Paula Diogo Elenco Bibi Dória, Sílvia Felipe e Zia Soares Desenho de Luz Wilma Moutinho Cenografia Fernando Ribeiro Assistência de cenografia Elsa Mencagli Direcção musical João Lopes Pereira Músico convidado a definir em cada cidade Registo audiovisual Leonor Castro Guerra Produção executiva Vanda Cerejo Uma co-produção Materiais Diversos, Teatro Nacional D. Maria II e Teatro Municipal do Porto Apoio à pesquisa CIDLES Centro Interdisciplinar de Documentação Linguística e Social Apoio à criação Alkantara Observação Em cada temporada local, o espectáculo será apresentado pelo elenco de 3 actrizes, mais convidados locais