Juana Azurduy

Cláudia Gaiolas

Nasceu em Lisboa, 1976. Bacharelato pela ESTC. É intérprete, criadora. Foi co-fundadora do Teatro Praga. Tem trabalhado com diversas companhias: Mundo Perfeito, Mala Voadora, , Truta, Má-Criação, Teatro Meia Volta e Depois À Esquerda Quando Eu Disser, Teatro da Garagem, Homem Bala, e ainda Tiago Rodrigues, Tonan Quito, Paula Diogo, Giacomo Scalisi, António Mercado, André Murraças, Joaquim Horta, Madalena Victorino, Jean-Pierre Larroche, Rui Horta, Clara Andermatt, Martim Pedroso, Àgnes Limbos, Dinarte Branco, Guilherme Garrido,Alfredo Martins e Alex Cassal. Encenou os espetáculos "A partir de amanhã" e "A Mulher que Parou" com textos de Tiago Rodrigues; para o Festival Materiais Diversos encenou "Os Terroristas" e criou os espetáculos, "Solo Doméstico" e "Não sou só eu aqui". Participou no laboratório TRYANGLE e desenvolveu o projecto "TryRomance". Participa no espetáculo "I DON’T BELONG HERE", direção de Dinarte Branco. Co-cria o" O Grande Livro dos Pequenos Detalhes”. Para o S.Luiz Teatro Municipal, dirigiu o ciclo "Antiprincesas"; Com Anabela Almeida e Sílvia Filipe co-dirigiu o espectáculo As Três Sozinhas para o Teatro Nacional D.MariaII; Lecionou teatro no âmbito das “Oficinas de Teatro” promovidas pela Câmara Municipal de Lisboa. Realizou várias oficinas para a infância e juventude para o Artemrede, Teatro Maria Matos, CCB, Fundação Calouste Gulbenkian, Forum Dança. Lecionou teatro entre 2001 e 2018 na Academia de Música de Sta Cecília.

Leonor Cabral

Nasceu em Lisboa em 1983. É licenciada em Teatro – Formação de Actores (ESTC) e tem mestrado em Estudos de Teatro pela FLUL. No teatro, trabalhou com: Cláudia Gaiolas, Tiago Cadete, José Peixoto, Elsa Valentim (Teatro dos Aloés), Rui Rebelo, Sofia Cabrita (Companhia do Chapitô), Nuno Pino Custódio (ESTE), Francisco Salgado, Carlos J. Pessoa (Teatro da Garagem), Marco Paiva, Catarina Vieira e Solange Freitas, Gonçalo Amorim (TEP), Tiago Vieira, Madalena Vitorino, Giacomo Scalisi, entre outros. Fez a direcção artística do projecto "O Barbeiro do Intendente". Criou os projectos teatrais "Quando as luzes se apagam”, “Se eu subisse tão bem como bebo, já estaria no ar há muito tempo" e "Ex-Simbol". Em 2014/2015, dirigiu o grupo de teatro Ultimacto, da Faculdade de Psicologia, UL. Fez assistência de encenação nos espectáculos "1974" e “A Morte de Danton", encenados por Miguel Seabra e Jorge Silva Melo, respectivamente. Criou as seguintes visitas performativas a exposições: Surreal(sismos), exposição “A partir do Surrealismo”, na galeria Millennium (2017); Proibido calar cartazes! Visita performativa à exposição “Querido, reorganizei a colecção... por artista”, na Culturgest (2015).

Juana Azurduy foi uma mulher-mãe-guerreira de origem indígena que lutou por um país melhor e pela independência da Bolívia. A cavalo, de espada e pistola em punho, esta mulher valente e gentil enfrentava todas as batalhas desafiando a própria vida. Este espectáculo integra uma série de quatro espectáculos criados por Cláudia Gaiolas a partir da colecção de livros Antiprincesas, editada pela Tinta da China e pela EGEAC, sobre mulheres que marcaram a história.

Direcção Cláudia Gaiolas Interpretação Leonor Cabral Dramaturgia Alex Cassal Cenografia e Figurinos Ângela Rocha Produção Executiva Armando Valente Co-produção Teatro Meia Volta e Depois à Esquerda Quando Eu Disser e São Luiz Teatro Municipal Uma encomenda São Luiz Teatro Municipal e Programação em Espaço Público, a partir da colecção Antiprincesas, edição de parceria entre a Tinta-da-China e a EGEAC Integrado na programação Lisboa na Rua